terça-feira, 28 de outubro de 2008

Indivisíveis - Mário Quintana


Indivisíveis

O meu primeiro amor
e eu sentávamos numa pedra
que havia num terreno baldio entre as nossas casas.
Falávamos de coisas bobas, isto é,
que a gente grande achava bobas.
Como qualquer troca de confidências
entre crianças de cinco anos. Crianças...
Parecia que entre um e outro
nem havia ainda separação de sexos,
a não ser o azul imenso dos olhos dela,
olhos que eu não encontrava em ninguém mais,
nem no cachorro e no gato da casa,
que apenas tinham a mesma fidelidade sem compromisso
e a mesma animal - ou celestial - inocência.
Porque o azul dos olhos dela tornava mais azul o céu.
Não importava as coisas bobas que disséssemos.
Éramos um desejo de estar perto, tão perto,
que não havia ali apenas duas encantadoras criaturas,
mas um único amor sentado sobre uma tosca pedra,
enquanto a gente grande passava, caçoava, ria-se,
não sabia que eles levariam procurando
uma coisa assim por toda a sua vida...

Mario Quintana

.

3 comentários:

Fábio disse...

Obrigado.

Renata disse...

Lindo demais!

Alcir Garcia disse...

Tive a felicidade de encontrar esse texto pela primeira vez numa agenda chamada "agenda zen" da Tilibra e desde então nunca mais esqueci. Obg pela edição desse poema. Abs.: