sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Insônia

.


No meio da noite... desperto.
A mente vagueia em várias direções...
Com raciocínio, não sei, se certo ou correto,
Mas projeto no escuro, alucinações...

O negro vazio aumenta...
Nada! Uma grande cidade!
Não é de mim que se alimenta,
Mas de minha ansiedade...

Busco socorro para minha dor...
De onde vem não sei direito...
Corro logo a mão no interruptor,
Mas não é ali que está meu peito!

Caio num claro Nada limitado
Com seu caminhar lento...
Estou preso no meu quarto...
Bebendo as manhas do tempo!!!

Marco Antonio Mattos Rezende 2006-09-08


.

3 comentários:

Till@ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Till@ disse...

Eu já sou fã das poesias do Marco Antonio, mais agora tenho oportunidade de ler sempre, e ainda tenho o prazer de apreciar o lindo trabalho, que você Beth está fazendo, que é: ensinar, Moldar pessoas em prol de um melhor futuro para si. Parabéns!

“Eu não tenho filosofia: tenho sentidos...
Se falo da Natureza não é porque saiba o que ela é.
Mas porque a amo, e amo-a por isso,
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem por que ama, nem o que é amar...”(Fernando Pessoa)
Parabéns!!

ilka disse...

Agora vou saber onde encontrar Marco Antonio sempre,com suas jóias literarias.Vou sentir a mão de Beth por perto, apoiando seu projeto.Aconchego-me num abraço apertado e entre risos e palavras de carinho,parabenizo-os por tão bela inciativa! E Marco,quando voce escreve,nas noites escuras e insones, não precisa usar interruptores:a sua obra, por si só, já brilha , jorrando luz em nossos corações! Parabéns!