segunda-feira, 16 de maio de 2011

Projeto "Preservando e Educando" Pede ajuda para Macaco Bugio em Laje do Muriaé - RJ







Fotos: Bruno Sicundino

A Educadora, Nandyara Rezende, professora do Colégio Ary Parreiras, Laje do Muriaé, enviou ao Outra Revista um pedido de ajuda. A carta que recebemos segue abaixo:

"Beth e Marco Antônio,

Preciso da ajuda de vocês em relação ao aparecimento de um macaco conhecido como Bugio. No ano de 2009, fiz com meus alunos um Projeto chamado “Preservando e Educando” e ele ajudou a conscientizar a população no sentido de não alimentar um bando de macacos que apareceu aqui na área urbana do município de Laje do Muriaé. Agora apareceu um, e ele está correndo risco, pois está sendo alimentado e aparece perto da estrada, onde existe um movimento grande de carros. Escrevi para o SOS Mata Atlântica e eles me indicaram o Centro de Primatologia, busquei na internet o Centro de Primatologia e me deparei com o responsável pela região que é o INEA, liguei para o INEA e eles me falaram que não poderiam fazer nada, uma vez que eles fazem somente a fiscalização, me passaram para o IBAMA, eu já havia escrito um e-mail para o IBAMA, e não veio resposta, liguei para o IBAMA e eles falaram: “_Já que o macaco está, de acordo com o seu relato, aparentemente, acostumado com o ser humano, a solução seria levá-lo para o CETAS”. E que, eles dariam a autorização para transportá-lo. Procurei o Secretário do Meio Ambiente de Laje e ele me informou, que como o macaco está aparecendo no lado que pertence a Itaperuna, ele é responsabilidade do município de Itaperuna. Eu nunca soube que um bem de todos (espécies da Mata Atlântica) teria toda essa burocracia de naturalidade! Mas tudo bem, estamos no Brasil! Procurei aqui na internet o site da Secretaria do Meio Ambiente do seu Município e não encontrei o e-mail do Secretário. Peço que vocês façam chegar ao conhecimento do Secretário a notícia que do "lado de Itaperuna" tem um animal, que está em extinção, precisando de ajuda. Tenho fotos e filmagens, estou preocupada no sentido de que a população venha saber, e ele seja capturado ou morto, pois ainda encontramos pessoas que tentam criar animais silvestres em casa ou mesmo caçadores que matam estes animais. Estou disposta a fornecer o local e mais fotos, se necessário.
Um abraço,
Espero a sua ajuda.
Nandyara"

Após ler o pedido o encaminhei para a Secretaria do Meio Ambiente aqui de Itaperuna e a seguir, liguei para informar que o meu pedido era realmente importante e urgente (a história, de certa forma, pode até parecer cômica, se não fosse quase trágica!). Afinal, apesar dos esforços da professora, a solução não chega! O funcionário que me atendeu, Lucas, disse que leria o e-mail e o encaminharia para o secretário, mas que, de antemão aconselhava que ligássemos para a Polícia Florestal de Aperibé e forneceu o número. Escrevi para a Nandyara, que agradeceu o nosso empenho, e aproveitou para nos enviar a resposta que acabara de receber do Centro de Primatologia:



E Nandyara ainda acrescentou:

“Hoje me informaram que o corpo de bombeiros esteve lá, liguei para o Corpo de Bombeiros e eles falaram que não fazem este trabalho, mesmo assim vou saber do macaco amanhã.

Através do Outra Revista, gostaria de deixar registrado o meu apelo, para que alguma ONG ou ÓRGÃO pertinente viesse examinar o macaco, remanescente da mata atlântica, pois o mundo não pode ficar somente com as tartarugas ( parabéns para o TAMAR).
Gostaria de destacar que o autor das fotos, que enviei, é Bruno Sicundino, aluno do Projeto Autonomia e que este acompanhamento faz parte do Projeto Preservando e Educando”.

Fica aqui registrado este apelo. Se alguém souber novas informações e ou soluções para o caso, nos comunique através do e-mail outrarevista@hotmail.com.

Agradecemos antecipadamente,

Beth Vitória Rezende.

.

2 comentários:

Angeline disse...

Olá Elisabeth:

Gostaria de saber se o caso foi solucionado. Contactei um veterinário miracemense, que entrou em contato com a Polícia Florestal e o IBAMa, através de colegas seus.
Para que possa saber se algo foi feito, conto com seu retorno ou da professora.

Abs

blogovagalume@gmail.com

Anônimo disse...

Olá.
Gostaria de entrar em contato com a professora Nandyara.
Preciso do celular dela.
Meu celular é 9268.5453
Flavio LEMOS
Secr. de Meio Ambiente de ITAPERUNA