terça-feira, 19 de maio de 2009

José Carlos Ligiero - por Kátia Ligiero

Clique na imagem para ampliar
José Carlos Ligiero

As primeiras lembranças que tenho de meu pai são de lindos ensaios do coral na sala de minha casa. Eu tinha cerca de quatro anos e dormia embalada por lindas vozes, regidas por ele.

Mais tarde além dos corais, vieram outras: O Conjunto de Seresta, A orquestra de Câmara, a querida Banda de Música, que completa 50 anos em novembro deste ano, as composições, incontáveis arranjos e a fotografia.

Ao mencionar isto, não sigo a ordem cronológica, sigo a linha de minha memória, memória afetiva, as lembranças vêm, e a caneta corre sozinha sobre o branco do papel.

Lembro-me de ver meu pai sempre com a máquina á postos, vendo beleza onde eu não via nada. Através das lentes de meu pai, descortinou-se um mundo de belezas, uma flor, uma gota de orvalho, um por do sol na Beira-Rio transformavam-se em pinturas de rara beleza.

Para mim ainda menina, era fascinante ver meu pai horas e horas compondo ou ajoelhado diante de uma flor, procurando o melhor ângulo, a melhor luz.

Na década de 70 o grande pianista Miguel Proença o convidou para expor na Sala Cecília Meireles suas fotos. O concertista havia ficado maravilhado com as obras do Maestro-Fotógrafo.

Mais tarde veio a Orquestra José Carlos Ligiero, ou Star Dust, nome que nunca pegou, pois todos a chamavam pelo nome do maestro. A orquestra teve a honra de se apresentar na Ilha Fiscal, no Rio de Janeiro, local onde ocorreu o último baile do império; apresentou-se também
inúmeras vezes na casa de espetáculos Scala e em outros estados. O local onde menos se apresentou foi Itaperuna.

o acervo do meu pai conta com composições em quase todos os estilos musicais, música sacra, valsas e etc.

Sua preocupação e amor com a nossa cultura rendeu vários arranjos que incluem cantigas de roda, caxambu e muito mais coisas da cultura fluminense. A própria banda de música sobreviveu graças a sua teimosia e grande amor por ela. Este trabalho lhe rendeu o Golfinho
de Ouro, maior prêmio do estado, dado a vários setores artísticos, como música, teatro, cinema, etc.

Ao papai coube o prêmio pela Preservação do Patrimônio Cultural do Estado.

Não posso descrever o orgulho que senti ao ver meu pai no palco ao lado de artistas renomados como Maria Bethânia, Bibi Ferreira, Ângela Leal e outros, recebendo tão merecido prêmio.

É difícil falar de meu pai, pois o amor, a admiração de filha e fã trazem junto com as lembranças, a emoção de ter o privilégio de ser filha de um homem brilhante.

A cada vez que tocam uma música, um dobrado de sua autoria, um arranjo marcado pelo estilo inconfundível de seus trabalhos, quando o público vibra e ele se transforma no palco, as lágrimas toldam meus olhos, sinto meu coração crescer e penso: como e possível tanta sensibilidade, tanto talento guardados no coração de um homem (aparentemente) fechado? E que ele fala com a alma e a dele, desprezando a palavra, faz brotar toda esta beleza em sons e imagens.

Meu pai, meu amigo e confidente, um homem, um artista inovador e brilhante, modesto quando fala de si, pois é tímido, transformou minha vida, pois poucos tiveram o privilégio de ser ninada ao som de um coral.

Este é o depoimento emocional e pessoal que pude fazer. Desculpem a falta de modéstia. Eu amo e me orgulho de ser filha de José Carlos Ligiero.

Kátia Ligiero



Fonte: Jornal DMais Cultura

.

4 comentários:

nininha disse...

deuxi aqui meu comentario de muito obrigado a essa pessoa chamada zew carlos ligiero pq se nao fosse por ele, nao seria uma professora de musica, naos estaria onde estou hj, e nao teria ido a tantos lugares como na alemanha mostrar o meu talento musical , meu sinceros agradecimento a tudo q vc me fez,mt obrigada!

nininha disse...

tenho orgulho de ter sido aluna dele, tenho orgulho ter sido uma grande amizade dele, tenho um pra zer de dizer obrigada ze carlos por tudo q me fez e me deu q foi a apredizagem musical...e com ela fiz mts viagens!e sou oq sou hj e sempre....

Cassia disse...

Tenho um carinho especial pois pude tocar suas commposições com ele me acompanhando na flauta. Sua orquestra se apresentou em Araruama
( onde moro)na praça Antonio Raposo e as pessoas dançavam ao ar livre. Inesquecível! Fotografou Araruama e pude acompanha-lo nesta excursão
A última vez que o vi, chorei de emoção.

Anônimo disse...

Meu nome é João Carlos Ribeiro Nunes. Fui aluno do grande Maestro e Professor José Carlos Ligiero. Pude desfrutar da amizade desse homem valoroso e amigo. Quando me casei em 01 de Junho de 1991, ele estava lá tocando no meu casamento por pura amizade. Tenho o filme até hoje e me orgulho muito disto. Hoje sou músico profissional e agradeço ao Maestro José Carlos Ligiero por tudo que me ensinou. Grande abraço, meu amigo.